Dia 12: As Promessas do Batismo (Consagração a Nossa Senhora)



“Portanto, vigiai, porque não conhecei o dia nem a hora” (Mt 25,13). “Trilha, pois, com fervor, o caminho da perfeição, porque em breve receberás o prêmio dos teus trabalhos” (Imitação de Cristo, Liv 1, Cap 25).

Quando somos batizados/confirmados fazemos livremente os votos de rejeitar Satanás e suas pompas, livremente prometemos servir a Deus e rejeitar tudo que nos afasta de Seu amor. Em suma, prometemos seguir os Mandamentos.

O pecado original deixou manchas em nossas almas, manchas que não são apagadas junto com o pecado que foi perdoado no batismo. Essas manchas são inclinações que temos para o mal e essa mancha aumenta cada vez que pecamos, por “menor” que seja o pecado que cometemos. Por isso, é mister que estejamos sempre vigilantes e trilhando o caminho da perfeição que é o caminho trilhado por Maria seguindo a estrada deixada por Jesus.

O demônio, homicida desde o princípio, tem como finalidade diminuir a glória de Deus perdendo as almas, deixando as cadeiras celestes vazias, e para isso usa de todos os artifícios mundanos possíveis para nos desviar da estrada da Salvação. Seguir essa estrada só depende de nós, mas a partir do momento que decidimos firmemente trilhá-la, podemos contar com as graças de Deus, com o Espírito Santo, e com a ajuda de Maria, juntamente com todos os anjos e santos.

O bem não é invasivo como o mal. Ora, o mal nos invade e nos escraviza, nos vicia. Alguém já ouviu dizer em alguém “viciado em castidade”? Mas certamente já ouviu falar em “viciado em sexo”. Alguém já ouviu alguém dizer que é “viciado em ser generoso”? Mas, certamente conhece alguém que é “viciado em acumular bens”. E ser “viciado em servir”, alguém já viu? Mas, com toda certeza se conhece alguém “preguiçoso”. Já o bem, ele pede permissão antes de entrar. Maria te convida a trilhar a estrada com Ela, mas não obriga. Nosso anjo da guarda nos ajuda no combate aos pecados, mas se quisermos pecar, ele apenas poderá lamentar e rezar para que você se converta.

“Dois meios, principalmente, ajudam muito a nossa emenda, e vêm a ser: apartar-se valorosamente das coisas às quais se inclina a natureza, e porfiar em adquirir a virtude de que mais se há mister. Aplica-te também a evitar e vencer o que mais te desagrada nos outros” (Imitação de Cristo).

Para combater a soberba, pratiquemos a humildade. Contra a avareza, sejamos generosos. A caridade combate a luxúria. Trabalhar a paciência nos ajuda a combatermos a ira. A castidade (e não falo apenas da sexual) nos protege da gula. A temperança nos ajuda a não sentirmos inveja. Por fim, para combatermos a preguiça, sejamos diligentes.

No batismo, quando optamos livremente por rejeitar Satanás e desprezar as coisas do mundo, recebemos tudo que precisamos para nos mantermos na trilha aberta por Jesus e por onde Maria caminhou. Recebemos do Espírito Santo os dons (sabedoria, inteligência, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor) e seus frutos (amor, alegria, paz, paciência, longanimidade, bondade, benignidade, mansidão, fé, modéstia, continência, castidade...). Quando somos batizados também recebemos prontamente o “tripé” necessário para trilharmos a santidade, as virtudes teologais (Fé, Esperança e Caridade) e as quatro virtudes cardeais (prudência, justiça, fortaleza e temperança).

Quando nos entregamos ao mundo, estamos desprezando todo esse “ferramental” que Deus coloca a nossa disposição para entrarmos no céu. A consagração total à Santíssima Virgem nos abre os olhos para tudo isso. Podemos considerar que Maria chama a atenção dos seus escravos de amor de todas as formas possíveis quando começamos a pensar em nos desviar e, quando caímos, é porque nos fizemos de surdos ou estávamos hipnotizados...




Comentários