A Esperança de Maria e José em Deus



"Jacó gerou José, esposo de Maria, da qual nasceu Jesus, que é chamado Cristo. Portanto, as gerações, desde Abraão até Davi, são quatorze. Desde Davi até o cativeiro de Babilônia, quatorze gerações. E, depois do cativeiro até Cristo, quatorze gerações.
Eis como nasceu Jesus Cristo: Maria, sua mãe, estava desposada com José. Antes de coabitarem, aconteceu que ela concebeu por virtude do Espírito Santo. José, seu esposo, que era homem de bem, não querendo difamá-la, resolveu rejeitá-la secretamente.
Enquanto assim pensava, eis que um anjo do Senhor lhe apareceu em sonhos e lhe disse: José, filho de Davi, não temas receber Maria por esposa, pois o que nela foi concebido vem do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, a quem porás o nome de Jesus, porque ele salvará o seu povo de seus pecados.
Tudo isto aconteceu para que se cumprisse o que o Senhor falou pelo profeta: Eis que a Virgem conceberá e dará à luz um filho, que se chamará Emanuel (Is 7, 14), que significa: Deus conosco.
Despertando, José fez como o anjo do Senhor lhe havia mandado e recebeu em sua casa sua esposa. E, sem que ele a tivesse conhecido, ela deu à luz o seu filho, que recebeu o nome de Jesus".
(Mt 1, 16-25)

Maria tem uma grande esperança fundamentada nas promessas de deus. Se Deus prometeu, há de se cumprir no momento propício, no momento certo, no momento de Deus. Não cabe a nós ficarmos especulando e tirando conclusões que na maioria das vezes são equivocadas.

A esperança de Nossa Senhora tem como único fundamento Deus. Por causa de Deus ela tem a certeza que tudo ficará bem. Ela sabia que a promessa estava se cumprindo através dela, que era virgem e concebeu do Filho de Deus, sem conhecer homem algum.

José conhecia Maria e para ele era muito confuso o que estava se passando. Como poderia uma garota tão diligente e que serviu no templo de forma tão piedosa ter cometido um adultério? Isso era impensável! José conhecia as escrituras e sua genealogia, sabia que Salvação viria de sua árvore, mas não de forma tão extraordinária. A humildade de José não deixava ele se sentir digno de ser pai do Filho de Deus aqui na terra. Mas, rejeitar Maria publicamente, como manda a lei, seria condená-la, e não rejeitá-la, naquela situação ainda obscura, seria ir de contra os ensinamentos de Deus. Mas algo incomodava São José, então ele pensava em rejeitar Maria secretamente, para não cometer injustiça.

Essa dúvida o consumia... Ele amava muito Maria e sabia que Maria o amava muito também. As peças do quebra-cabeça não se encaixavam. Então ele recolhe-se em oração para discernir e tomar uma atitude justa: Não condenar Maria, que ele tinha certeza ser inocente e pura, mas também não ofender a Deus.

Do outro lado Maria também reza com toda confiança. Pede que Deus ilumine seu esposo para que não tome nenhuma decisão precipitada, para que a liberdade de José não desvirtue o caminho desejado por Deus. Sua preocupação não era tanto com sua integridade física e moral, afinal, ela abdicou tudo para fazer a vontade de Deus. Sua maior preocupação era com a salvação da humanidade e, também, a de José que estava em cheque, caso ele tomasse alguma decisão errada.

O casal, então, reza junto. Cada um em seu canto, mas juntos em intenção e espírito. Casais que rezem juntos com o objetivo de cumprir a vontade de Deus se fortalece e se santificam mutualmente. A oração de ambos se unem e chega aos ouvidos de Deus de forma mais intensa e o Altíssimo envia um Anjo para esclarecer toda a situação.

Primeiro o casal reza confiante em Deus, depositando toda a sua esperança na Suprema Majestade, na Suma Sabedoria. Estão dispostos a aceitar tudo para fazer a vontade de Deus, inclusive abrir mão de si próprio. Tamanha confiança faz com que Deus envie suas graças, seus confortos, seus esclarecimentos. Deus age, ajuda, envia graças, Deus se entrega todo a quem se entrega todo a Ele.

Era tudo que José mais queria! Como Deus é maravilhoso! Estar com Maria é fazer a vontade de Deus! Aceitar Maria, sem medo, é a ordem que vem através do Anjo! Vale a pena passar por tudo que poderia passar, pois viera a certeza que acolher a Santíssima Virgem grávida não significava contrariar a Lei, mas exatamente o contrário, seria dar pleno cumprimento a ela.

Em suma, o amor de José por Maria, naquela situação, era gigantesco! José estaria disposto a passar por todas as tribulações, por cima do próprio orgulho, da própria honra, ou qualquer outra coisa para permanecer com Maria e ter o amor dela, exceto se isso significasse ofender a Deus, cujo seu amor era infinitamente maior. Quebrando essa barreira, ou seja, a barreira de ofender a Deus, pois José provou que estaria disposto a renunciar todo esse amor por Nossa Senhor para não ofender o amor de Deus, ele poderia acolher a Santíssima Virgem, tudo ficara esclarecido e o caminho estava para cumprimento da promessa de Deus: A Salvação entrará no mundo pela descendência de Davi através de uma virgem.





Comentários